Monday, February 05, 2007

Enquanto dure


Say you, say me
Lionel Ritchie



Meu amor.

Hoje faz exatamente trinta dias que você deixou a nossa casa. Sei disso porque vi, de relance, o calendário magnético da comida chinesa pregado na porta da geladeira. Um mês de atraso, de saudade, de cansaço.

Não vou mentir pra você. Nem conseguiria. Você me conhece pelo meu jeito de colocar a chave na porta, lembra? Ainda giro o trinco antes de forçar a fechadura, numa esperança meio boba dela estar aberta.

Quando a gente ficou frente a frente na porta do prédio, você me surpreendeu. Pela primeira vez na vida, me surpreendeu. Não esperava nunca que fosse realmente atravessar aquela rua. Que não fosse se virar ao ouvir o seu nome, como uma cadela velha acostumada a casa. Esperava que tudo se resolvesse na cama, nas nossas promessas de nunca mais. Lembra?

Ainda esperei. Duas três quatro noites. Já se embriagou sozinha, de Nova Schin, brindando no vidro da TV com um Jô Soares reprisado?

Foi aí que te liguei. Os meus dedos correram pra cima do teclado, refazendo aquele caminho tantas vezes...Não sei, não sei. Tô falando merda já.

Você poderia não ter atendido, não poderia? Fala a verdade. Poderia não ter aceitado o convite. Quem entra no carro de um bêbado as três da manhã? Qual foi? Pensou que tudo ia dar certo? Como numa Tela Quente de Natal dublada? No bloco final eu iria te pedir perdão com os créditos subindo?

Tentei sinceramente me conter. Mas o macio do teu cabelo foi me dando uma ânsia, sabe? Uma vontade de jogar tudo pro ar.

E falando a verdade, não foi tão difícil assim. Você nem reagiu. Olhou dentro do meu olho ainda com um restinho de pedância. Existe essa palavra? Pedância?

Nem tinha ninguém vendo. Tão fácil. Tão mole. Pão sovado derretendo nos meus dedos afundando. Afundando. Como você, nas pedras.

Agora tô aqui. Um mês, acredita? Tá passando “O Sol Da Meia-Noite”. Sabe se o Baryshnikov ainda tá vivo?

A verdade é que não é só você que me conhece por dentro. Chave. Andar. Te conheço pelo andar. O som de seus passos. Molhados.

Nem preciso fuçar no olho mágico pra saber que você tá agora aí na porta. Nem tão linda mais. Meio sem jeito apoiando o resto do rosto com as mãos. Tentando andar com o que sobrou das pernas. Arrastando uns fiapos de sargaço e restos de plástico jogados no mar.

Entra, a porta tá aberta.

A gente tem muito, muito o que conversar.

13 Comments:

Anonymous Thiago de Góes said...

Sinistro! Muito sinistro! Sinistríssimo! Quando sai o teu livro? Sempre há uma surpresa nos teus contos. Esse eu gostei muito. E você ainda epigrafa com essas músicas... Muito massa! Está de parabéns, cara. quero ver o seu livro pronto!

5:23 AM  
Anonymous mary said...

Muito bom!

Sempre intrigante ler teus textos.

Beijosss

10:58 PM  
Blogger Ordisi said...

Bom ver que o velho amigo ainda se lembra da gente.

Abraços Lisarbeiros.

12:07 PM  
Blogger Chica said...

esses tipos de acertos de contas são os piores. kkk
não sei oq eu farei de minha vida internética. mandei emails para o provedor, descobri que fui censurada. kkk

3:39 AM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

E ainda existem palavras? sei não...
beijossssssssssss

11:54 AM  
Anonymous Anonymous said...

Search engines try it

Casino
viagra
tramadol
cialis

10:43 AM  
Blogger Santos Passos said...

Excelente, como sempre. Abração.
(Pedância só começou a existir agora, com este conto. Mas existe impedância, que é um negócio de eletricidade, que depois o Ordisi te explica. Ora, se existe impedância, por que não pode existir pedância, né.)

7:19 AM  
Anonymous Anonymous said...

Latest news. Viagra, cialis

viagra
cialis
tramadol

11:39 PM  
Anonymous Luiz com Z said...

Concordo com Thiago! Sinistraço! E maravilhoso como sempre!

7:13 PM  
Blogger AnMi Potyra said...

Há sempre uma dúvida...
Não consigo definir qual dos seus textos eu gosto mais...

3:28 PM  
Blogger MilaF said...

Wow! Me lembrou "A Mão do Macaco" - e, por alguma razão, me arrepiou muito mais.

7:35 PM  
Blogger Fernanda Passos said...

Maravilhoso.
Superlativos pra ti.
;)

10:37 AM  
Blogger Luciano Pires said...

tava falando com uma amiga hj e escrevi pedância,kkkkk, corrigi imediatamente pra pedantismo, mas joguei no google depois e vi teu blog(bela maneira de conhecer blogs)gostei bastante do texto. se quiser dar uma olhada no meu blog:
http://prozacfiles.blogspot.com/
falow

4:40 PM  

Post a Comment

<< Home