Wednesday, May 16, 2007

AC/DC*

“Drugstore. 24 hora.”
É o que dizia o letreiro meio apagado em cima da farmácia.
Teresa procurava acender o cigarro protegendo com as mãos o isqueiro do vento frio.
Tec. Tec.
Nada de chama.
Esgotada, rodava o cigarro apagado mesmo entre os dedos.
Até que, meio por acaso, mirou o chão e viu.
Sem o menor motivo, absolutamente desambientadas, duas cobras rolavam no chão. Enroscadas e alheias à solidão daquela noite.
Sem aviso, Teresa foi imediatamente transportada de volta em dez (quinze?) anos.
E a noite da cidade foi invadida por um sol de rachar. E aquele breu faiscante no dorso das cobras virou um verde. Verde-cana-de-açúcar.
Eram todos meninos de novo, correndo na plantação, usando, no máximo, uma peça de roupa cada.
Perdido em pensamentos, como sempre, Tarcísio foi deixado pra trás na corrida ao açude. Nunca acreditou muito nessa coisa de mulher do padre.
Tão perdido estava que quase tropeçou nas duas cobras enroscadas pelo meio do caminho. Negras, reluzentes como pneus.
Hipnotizado, quebrou um pedaço da cana pra que pudesse sentir, através das doces fibras, a pele fria daquelas duas. Daqueles dois?
Mas não tinha lá muito traquejo, Tarcísio, e acabou separando, meio sem querer, as cobras.
Já tinham se passado quinze (vinte?) anos. E Teresa ainda tentava acender o cigarro.
As cobras, enroladas de novo, pareciam se divertir bastante. O salto da bota era seguro o suficiente. Num esgar de pernas, poderia simplesmente invadir a orgia e voltar a ser Tarcísio.
Mas o aluguel vencia na próxima semana. E a gente nunca se sabe, né? – foi o que passou pela sua cabeça.
Até que conseguiu acender o cigarro. Enquanto o salto fazia eco na calçada , sumindo na rua meio deserta.
“Drugstore. 24 horas”
Era o que dizia o letreiro.


*Baseado na lenda grega de Tirésias.

11 Comments:

Anonymous Thiago de Góes said...

´Quando é que sai o livro?

5:49 AM  
Anonymous Anonymous said...

ei, benja.
fazia tempo q eu nao vinha aqui.
é tao bom que eu nao entendo como fazia tanto tempo que nao vinha, afinal =)
e lá vem a cobrança: cade o livro, ômi?!
dea marinho (nao consigo comentar nesse coiso sem ser anonima)

4:29 PM  
Blogger Ataualpa S.Pereira said...

Sodale...

Ergo a mão mais uma ver para lhe cumprimentar. Fantástico. Mais uma vez seu trabalho me sugere uma passagem cinematográfica, mais precisamente roteirística.

Um grande abraço!

1:23 PM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Sem duvida esse prazer só sentiria como Teresa-mulher...
Aplaudindo de pé!
beijosssssssss

6:32 PM  
Anonymous ro said...

vinha lendo e o Tirésias rolava na minha cabeça, e o caduceu, e Hermes e até o filme gay chamado Tirésia, assim merrrrrmo, sem s no final....ai, baby, como é bom te ler....

8:38 AM  
Blogger Rose Foncée said...

Cobras e letreiros e ausência de plurais... Realmente fió, melhor não pensar muito naum porque pode fundir... e fundidos já estamos o suficiente...

(Legal seu blog viu? Beijinhos)

9:46 AM  
Blogger Hipacia said...

Olá. Caramba. Que incrível. Com ou sem livro, você escreve incrivelmente bem. Tão claro, tão sem segredos, tão envolvente, um tapete mágico em que a gente senta e se deixa levar, até pelo absurdo do que sabemos bem real. E isso daria um belo curta. Até mais!

1:03 PM  
Blogger Chica said...

quando comecei a ler o texto, logo minha memória ran cinematográfica me levou há alguns anos atrás quando vi um filme francês com uma lenda assim. Pronto. Tiérias!
Queria ter um neurônio assim igual a voc~e que me lembrasse tudo.
Na mitologia africana há também um deus representado por serpentes que durante meio ano é fêmea e no outro período, macho. Chama-se Oxumaré, sua vestimenta leva as cores do arco-íris. Tudo a ver. Não achas?

7:21 PM  
Blogger Hipacia said...

Olá! Quedê seus textos? Preciso lê-los, mais deles!

6:31 AM  
Blogger Marcus Vinícius Araújo Pereira said...

Agora que descobri seu blog vou lhe encher um pouco, até cumprir minha já promessa de passar ai (pelo menos antes de morrer) kkkk

4:53 PM  
Anonymous Thiago de Góes said...

É mesmo, a música Natalie é muito brega. eu só não acrescentei no ranking porque não queria colocar duas canções do mesmo cantor (Julio Iglesia) e achei qie Manoela era mais brega. Valeu pela dica e pelo registro. como é que está o livro?

5:58 AM  

Post a Comment

<< Home